Casa > cibernético Notícias > Intel and Microsoft Join Forces Against Malware With New STAMINA Technology
CYBER NEWS

Intel e Microsoft unem forças contra malware com a nova tecnologia STAMINA

Intel e Microsoft estão trabalhando juntos para criar novos métodos para se proteger de vários novos malwares, seu mais novo projeto é a criação da tecnologia STAMINA. Este é um mecanismo inteligente de inteligência artificial que permite que um sistema detecte vírus. Em vez de confiar na análise de código, a tecnologia STAMINA tentará criar um padrão visual de código potencialmente malicioso e usar a imagem coletada para detecção.




A tecnologia STAMINA da Intel e da Microsoft se protegerá contra malware

Intel e Microsoft são trabalhando juntos em uma nova tecnologia projetada para detectar malware chamado STAMINA. Essa é uma abordagem que se baseia em algoritmos avançados de inteligência artificial que, em vez de analisar o código, usam um método alternativo para detectar vírus. O conceito chave é visualização — STAMINA funciona criando imagens de código potencialmente não autorizado. A implementação do sistema funciona especificando parâmetros de imagem para metadados que podem estar relacionados ao código de malware. As imagens de saída serão imagens simples que podem ser analisadas posteriormente.

STAMINA significa Spai Mciente-umas-Eumago Network UMAnalysis. A tecnologia AI determina se um arquivo está infectado com código de malware e o processa através do algoritmo STAMINA. Arquivos de tamanho pequeno no momento são os mais precisos. Os resultados dos testes mostram que, tanto quanto 99% de arquivos de malware são classificados com apenas um 2.6% taxa de falsos positivos. No momento, o sistema não está otimizado para arquivos maiores.

relacionado: [wplinkpreview url =”https://sensorstechforum.com/thunderspy-attack-thunderbolt/”]Thunderspy Attack usado para invadir portas Thunderbolt: Milhões de PCs afetados

O algoritmo funciona selecionando um arquivo de destino e convertendo-o em formato binário. Deste estado, ocorre outra conversão — os dados serão codificados em forma de pixel bruto. Isso permite que os dados sejam manipulados por vários meios de software, incluindo o STAMINA AI. O foco é que uma representação bidimensional pode ser analisada usando programas como algoritmos e ambientes automatizados. o propriedades da imagem contém dados que podem ser lidos pelos programas — largura indica tamanho do arquivo e a altura é calculado dinamicamente para cada malware.

As imagens geradas serão alimentadas à rede neural profunda STAMINA, que examinará a representação do arquivo em análise. A IA a classificará como limpa ou infectada. A rede neural é treinada pela Microsoft por introdução 2.2 milhões de amostras de arquivos infectados. O número de amostras conhecidas que são alimentadas na rede neural, 20% de todos os arquivos são usados ​​para validar a rede e 20% valores para o processo de teste real. A tecnologia STAMINA será implementada no Microsoft Windows. Uma data exata ainda não foi mencionada, no entanto, dado o estágio avançado de desenvolvimento, provavelmente não demoraria muito para vermos esse sistema avançado de proteção contra malware.

Avatar

Martin Beltov

Martin formou-se na publicação da Universidade de Sofia. Como a segurança cibernética entusiasta ele gosta de escrever sobre as ameaças mais recentes e mecanismos de invasão.

mais Posts

Me siga:
Twitter

Deixe um comentário

seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *

Compartilhar no Facebook Compartilhar
Carregando...
Compartilhar no Twitter chilrear
Carregando...
Compartilhar no Google Plus Compartilhar
Carregando...
Partilhar no Linkedin Compartilhar
Carregando...
Compartilhar no Digg Compartilhar
Compartilhar no Reddit Compartilhar
Carregando...
Partilhar no StumbleUpon Compartilhar
Carregando...